Recentes

Voo Japão-Bélgica

Designers / Destaques / 3 Maio, 2016

commeforces-of-fashion-rei-kawakuboO livro “Fashion Game Changers: Reinventing the 20th Century Silhouette” explora o trabalho de criadores de moda que têm vindo a radicalizar a abordagem da moda ao corpo. Designers como Kenzo Takada, Issey Miyake, Yohji Yamamoto e Rei Kawakubo foram responsáveis pela reinvenção da silhueta feminina e são nomes assinalados num dos capítulos da obra.

O trabalho destes designers japoneses influenciou as propostas avant-garde de designers belgas, como Ann Demeulemeester, membro do grupo de designers da Royal Academy of Fine Arts da Antuérpia conhecido como “Antwerp Six”, analisa a revista digital Dazed.

A partir do momento em que o espírito visionário dos designers japoneses foi apresentado ao mundo, em Paris, no início dos anos 1980, tornou-se perfeitamente claro que o seu trabalho era muito mais profundo do que as meras roupas. Kenzo Takada e Issey Miyake já tinham chegado à capital francesa anos antes, mas em 1981 Yohji Yamamoto e Rei Kawakubo causaram uma verdadeira revolução com as coleções outono-inverno, apresentadas em conjunto.

Em contraste com a imagem glamourosa da mulher, então em voga, os designers japoneses apresentaram looks em preto total, que os críticos mais conservadores consideraram de mau gosto. Polly Mellen, então editora da Vogue americana, declarou que a moda vinda do país era «moderna e livre». «Yamamoto e Kawakubo estão a mostrar o caminho para uma forma totalmente nova de beleza», afirmou.

A nova noção de beleza vinha desafiar as convenções estéticas vigentes, ainda com base nas conceções ocidentais renascentistas de simetria, equilíbrio e perfeição. Na verdade, esta “nova” estética – considerada antiestética, por alguns insiders – teve as suas raízes no legado secular da cultura japonesa e no conceito de Wabi Sabi ou “a arte da imperfeição”.

Este e outros conceitos ressoaram nas mentes de vanguarda de designers japoneses como Miyake, Kawakubo e Yamamoto e seus discípulos, Junya Watanabe e Dai Fujiwara.

O quadro conceptual traduz-se depois em peças que resultam da desconstrução de padrões convencionais; da monocromia, do foco no preto; de volumes incomuns e proporções exageradas; de assimetria; de sobreposição; de rasgões; de costuras e bainhas expostas, que participam no processo de design; de vestuário inacabado; de fronteiras esbatidas entre masculino e feminino.

Através do trabalho destes designers, foram assim apresentadas novas terminologias de vestuário e a essência da técnica Wabi Sabi presente no seu trabalho inspirou muitos outros criadores de moda.

Alguns desses jovens talentos, que estavam à procura de uma nova forma de expressar a sua criatividade através do vestuário, incluíam os estudantes de moda da Royal Academy of Fine Arts, na Antuérpia, educados para a construção e corte clássicos.

Membro dos conhecidos Antwerp Six (juntamente com Dries Van Noten, Walter Van Beirendonck, Dirk Bikkembergs, Dirk Van Saene e Marina Yee), Ann Demeulemeester recorda que «estava a terminar os meus estudos [quando os designers japoneses se estrearam na Europa] e foi um passo corajoso na moda – o início de uma nova liberdade para mim como designer e como mulher».

Ann Demeulemeester, seguindo o trabalho Rei Kawakubo/Comme des Garçons, afirmou-se com silhuetas femininas fortes e constantes, prestando particular atenção às técnicas de corte, que a designer combina com a pureza monocromática do preto e branco. Tal como Kawakubo, as criações de Demeulemeester questionam os estereótipos de beleza e de género ocidentais – as mulheres Demeulemeester mostram atitude e autoestima, atraem os homens com o intelecto e não com o corpo.

O trabalho dos designers japoneses, especialmente de Yamamoto e Kawakubo, foi, simultaneamente, um choque e uma revelação para os designers belgas, que à data ainda estavam na periferia da cena de moda internacional. Confiante de que haveria outras formas menos convencionais do que as do sistema estabelecido, o grupo trocou Antuérpia por Londres em busca de aceitação da sua abordagem à alfaiataria.

Assim começou uma nova onda que iria fazer estremecer os alicerces da moda ocidental e os paradigmas estabelecidos pela alta-costura (já abalados pelos designers japoneses).

margielatobiContudo, houve um aluno da escola de moda belga, que acabaria por emprestar uma releitura muito particular à poesia da desconstrução iniciada pelos designers japoneses – Martin Margiela. Longe de ser um clone dos seus precursores, Margiela criou o seu espaço através de uma estética radical: maximizou a desconstrução das peças de vestuário, transformando o processo numa forma de reflexão; mudou elementos, como mangas ou golas, e deu-lhes contextos novos e incomuns. Em Margiela, não era apenas o resultado final o importante, mas também o processo de design e as várias fases de produção.

As botas tabi, há mais de vinte anos reconhecidas como uma das peças mais icónicas da Maison Margiela e produzidas em diferentes variações, são inspirados pelas tabi japonesas – meias pelo tornozelo com uma separação entre os dedos, para serem usadas com as sandálias tradicionais.

A proximidade conceptual e estética entre estas duas vagas revolucionárias na moda foi favorável à exportação bem-sucedida do trabalho de designers belgas para o Japão. Linda Loppa, durante muitos anos responsável pelo departamento de moda na Royal Academy of Fine Arts, admite que «o sucesso de designers belgas no Japão aconteceu, a meu ver, devido ao facto de os belgas e japoneses serem, em certa medida, almas gémeas».



Etiquetas: , , ,




Notícia Anterior

As bailarinas de Alexa

Próxima Notícia

A moda de Olímpia




Sugestões

As bailarinas de Alexa

Para acalmar os ânimos em torno da querela mocassins versus sapatilhas, Alexa Chung propõe uma alternativa ao calçado...

3 Maio, 2016   
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.
GET THE NEWSLETTER
From runway shows to trends, designers and events, fashionup.pt takes the latest fashion news straight to your inbox.
Your information will not be shared with any third party.
CONTACT US
Please contact us with any editorial or advertising questions.
Thank You. We will contact you as soon as possible.
Contacte-nos
Para questões editoriais ou de publicidade, por favor contacte-nos.
Obrigado. Entraremos em contacto o mais breve possível.
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.