Recentes

A formar o futuro da ITV

Designers / Destaques / 24 Março, 2017

O Modatex celebrou, em 2016, cinco anos de atividade, somando já mais de um milhão de horas de formação. Com o serviço de validação e certificação de competências incorporado recentemente, o centro de formação pretende continuar a apoiar o desenvolvimento das empresas e a promover as profissões ligadas à industria têxtil e vestuário.

Reunindo as competências anteriormente distribuídas pelos extintos centros de formação profissional Citex, Civec e Cilan, o Modatex é hoje a referência na formação técnica para a indústria têxtil e vestuário (ITV). Com apenas cinco anos de existência, deu passos largos ao encontro das necessidades do sector, numa auscultação permanente das empresas para adaptar a sua oferta aos serviços que elas carecem, ao mesmo tempo que procura promover e valorizar as profissões ligadas a toda a fileira, em parceria com a indústria.

«A importância das profissões é importante para todos os que trabalham para o sector e todos nós trabalhamos para o sector. Agora, tenho uma perspetiva que, sozinha, sou capaz de fazer muito pouco, porque o sector é muito grande. Por isso, se nos aliarmos, teremos sempre um impacto muito maior», afirmou Sónia Pinto, diretora-geral do Modatex, numa entrevista publicada na edição de janeiro do Jornal Têxtil.

Com uma multiplicidade de serviços e oferta formativa, o Modatex, que no final de 2016 contava com 300 adultos no reconhecimento de competências, 1,1 milhões de horas de formação, mais de 14 mil formando e mais de 3.000 contactos com empresas, introduziu mais recentemente a validação e certificação de competências. «Tivemos logo a perceção clara que este serviço só faria sentido se estivesse ao serviço dos trabalhadores das empresas, em termos de reconhecimento – não nos resignámos a esperar que os trabalhadores da indústria viessem ter connosco», explicou Sónia Pinto. O centro de formação incorporou a metodologia na sua oferta e, até agora, já estabeleceu 2.500 contactos com empresas nos vários sites do centro, que conta com cinco unidades próprias – Barcelos, Vila das Aves, Porto, Covilhã e Lisboa – e três extensões, em Marco de Canaveses, Lousada e Pinhel. «A porta de entrada é sempre a mesma, seja para formação, seja para reconhecimento», ulinhou a diretora-geral do Modatex.

Uma oferta que tem sido bem recebida pelas empresas e pelos trabalhadores. «É a valorização daquilo que sabem e, portanto, essa valorização traz acréscimos de motivação, de reconhecimento», admitiu a diretora-geral, que focou a existência de um júri externo na avaliação final das competências.

O centro é igualmente reconhecido pela formação de novos talentos, abrindo as portas da indústria da moda aos mais novos. «Acima de tudo é uma questão de reconhecimento da marca. A concorrência serve mesmo para não nos encostarmos, para não ficarmos estagnados. A concorrência é sempre na procura de ultrapassar, de melhorar, de atingir a excelência», advogou a diretora-geral. O segredo, garantiu, é a busca pela excelência desde o início do processo. «Há uma seleção muito exigente e não queremos baixar a qualidade», referiu. «Tentamos ter os melhores dos melhores», acrescentou Sónia Pinto, destacando que os critérios de exigência não se aplicam só aos formandos mas, sobretudo, aos formadores. «Não é qualquer um que é formador do centro, especialmente em áreas técnicas fundamentais. Costumo dizer que é mais difícil entrar na bolsa de formadores do que entrar numa faculdade. Na faculdade é um processo administrativo, aqui não. Eles têm de provar que sabem e incorporam a nossa metodologia de dar formação», admitiu.

Embora lamente a escassez do orçamento – que tem travado as contratações e as progressões de carreira – e a falta de uma maior articulação com as associações e as instituições de ensino superior em Portugal, Sónia Pinto, acredita que, cinco anos depois da sua criação, o Modatex está no caminho certo para preparar o futuro do sector. «Olhamos o futuro com muita esperança.  O sector soube reinventar-se, está a crescer de uma forma sustentada e o centro está também a acompanhar essa evolução», afirmou. Os projetos passam pela contratação de técnicos qualificados, para «trazer sangue novo» e pela continuação do percurso internacional do centro de formação. «Temos de ir para fora de portas para também trazer novas ideias e o nosso sector, sendo exportador, temos de o acompanhar», concluiu.



Etiquetas: , , ,




Notícia Anterior

Os decretos do Portugal Fashion

Próxima Notícia

Novo comandante no Bloom




Sugestões

Os decretos do Portugal Fashion

No interior do edifício criado por decreto pelo Marquês de Pombal, também o Portugal Fashion inaugurou a sua passerelle...

23 Março, 2017   
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.
GET THE NEWSLETTER
From runway shows to trends, designers and events, fashionup.pt takes the latest fashion news straight to your inbox.
Your information will not be shared with any third party.
CONTACT US
Please contact us with any editorial or advertising questions.
Thank You. We will contact you as soon as possible.
Contacte-nos
Para questões editoriais ou de publicidade, por favor contacte-nos.
Obrigado. Entraremos em contacto o mais breve possível.
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.