Recentes

A volta da Mulberry

Destaques / Marcas / 25 Fevereiro, 2016

2d6ae09424756c1b32e294a5ca0f7f48 1009fbc2ef70c65897aa5fcf4fd7557e 064993a2769017b1aa2580115c3b2fe5A estimular o retorno aos eixos do sucesso está a coleção de estreia do novo diretor criativo Johnny Coca, apresentada no passado fim-de-semana em Londres. A marca britânica adotou ainda a estratégia vigente no consumo de moda, proporcionando o acesso dos consumidores a alguns produtos numa questão de semanas.

A Mulberry está a tentar reencontrar-se com as suas raízes enquanto marca britânica de luxo de bolsas resistentes e elegantes, depois de uma investida em produtos com preços mais elevados ter levado a uma quebra nos lucros e à demissão do CEO e equipa criativa. O primeiro desfile depois de dois anos turbulentos surge numa altura em que as marcas de moda estão a tentar encontrar abordagens alternativas de levar as roupas e os acessórios até ao consumidor de forma mais rápida e para os diferentes climas à volta do globo (ver Regresso a casa).

A Burberry e a Tom Ford (a francesa Vêtements apresentou depois uma tática semelhante) anunciaram este mês que iriam encenar apenas dois desfiles de moda por ano, com a apresentação simultânea das coleções feminina e masculina – posicionando-se de forma alternativa ao calendário tradicional da moda (ver Burberry com nova velocidade). A medida consubstancia-se num modelo “ver agora/comprar agora” destinado a uma geração de consumidores interessados ​​em comprar artigos vistos na passerelle no imediato e com recurso a dispositivos móveis.

As marcas de luxo estão assim a responder aos rivais da fast fashion, como a Zara, que encaminha para as suas lojas artigos inspirados nos produtos do luxo antes dessas mesmas coleções chegarem às prateleiras e sem as despesas acrescidas com diretores criativos e desfiles de moda. «O cliente entra na loja e diz “já vi isto e por menos dinheiro”», advogou Thierry Andretta, CEO da Mulberry, à agência Reuters. «Penso que todas as marcas vão estar a pensar sobre isto», acrescentou. «O anúncio de Christopher Bailey terá impacto sobre o pensamento das pessoas. Mas cada marca vai encontrar a própria solução».

 

A nova guarda da Mulberry

Thierry Andretta, um veterano na indústria da moda que tem no seu currículo marcas como a Lanvin e a Céline, foi contratado no ano passado para revitalizar a Mulberry. A sua estratégia é posicioná-la como uma marca britânica por excelência que faz produtos que oferecem “valor” por “dinheiro” – respondendo às críticas crescentes dos consumidores em relação à descartabilidade da moda. Andretta sublinhou ainda que a marca tem dezenas de artesãos disponíveis para a reparação das bolsas, serviço oferecido por um seletivo grupo de marcas luxo, como a Hermès e a Louis Vuitton.

Cerca de metade dos produtos da Mulberry são produzidos em Somerset por cerca de 600 trabalhadores qualificados, revelou o CEO da marca. Os restantes são produzidos também dentro da Europa. Andretta ajudou a Mulberry a contratar o designer espanhol Johnny Coca, ex-Louis Vuitton e Céline, cuja coleção de estreia – inspirada pela obra de Shakespeare – foi apresentada no domingo durante a Semana de Moda de Londres.

A Mulberry, conhecida pelas clássicas bolsas de couro castanhas inspiradas pela bolsa de um carteiro, foi fundada em 1971, em Somerset, no sudoeste da Inglaterra. A marca é designada segundo o nome da árvore pela qual o fundador, Roger Saul, passava todos os dias quando ia para a escola. Hoje, é detida em 56% pelo casal de bilionários de Singapura Christina Ong e Ong Beng Seng.

Os fabricantes de artigos de couro topo de gama como a Mulberry enfrentam atualmente uma forte concorrência de marcas mais acessíveis, como a Furla, a Longchamp e a Kate Spade, que oferecem aos clientes a aparência e sensação de luxo a preços mais baixos. A Mulberry perdeu muitos clientes quando o ex-presidente Bruno Guillon, vindo da Hermès, aumentou o foco em bolsas com preços mais elevados que chegavam às 1.800 libras (aproximadamente 2.327 euros), mais do que o dobro da média de preços praticados pela marca.

Atualmente, 70% das bolsas Mulberry tem um preço inferior a 1.000 libras, afirmou Andretta. A mini-bolsa Lily em pele natural custa 350 libras, enquanto as versões maiores custam 650 libras. A best-seller Bayswater ronda as 895 libras.

 



Etiquetas: , ,




Notícia Anterior

Regresso a casa

Próxima Notícia

Um homem entre estrelas




Sugestões

Regresso a casa

Ainda que não seja possível incluir a passerelle londrina numa determinada estética – pela sua eclética abordagem...

24 Fevereiro, 2016   
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.
GET THE NEWSLETTER
From runway shows to trends, designers and events, fashionup.pt takes the latest fashion news straight to your inbox.
Your information will not be shared with any third party.
CONTACT US
Please contact us with any editorial or advertising questions.
Thank You. We will contact you as soon as possible.
Contacte-nos
Para questões editoriais ou de publicidade, por favor contacte-nos.
Obrigado. Entraremos em contacto o mais breve possível.
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.