Recentes

A futurologia da moda

Destaques / Tendências / 21 Dezembro, 2015

nikeA indústria da moda tem conhecido diferentes velocidades que ditam a constante apresentação de novos produtos e compasso de esperas cada vez mais curtos para as expedições, mas também a customização que é, atualmente, a norma, e a pertinência da tecnologia wearable. O reverso desse prego a fundo revela-se na poluição da água e do ar, no desperdício e em práticas censuráveis em termos de condições de trabalho. O que esperar para as próximas estações?

A moda vive, atualmente, uma dicotomia: por um lado, o futuro assemelha-se algo de maravilhoso, pleno de possibilidades, com a promessa de roupas e acessórios mais rápidos, mais baratos e mais inteligentes; por outro, consubstancia uma iminente ameaça para o meio ambiente, marcada ainda por despedimentos e condições de trabalho precárias. Não obstante, este é um território fértil em mentes criativas, inovadoras e capazes de definir novos rumos e cenários de atuação.

À medida que o ano se esgota, a Racked decidiu pensar na próxima década e indagou designers, CEO’s e outros atores para tentar prever os 10 anos que se seguem nesta indústria que tradicionalmente se assume como imprevisível.

Adam Wray, curador de moda da Redef, espera que a próxima década seja marcada pela oferta de condições de trabalho dignas e técnicas de produção sustentáveis. «Daqui a 10 anos acredito que já tenhamos feito, pelo menos, algum progresso no sentido de eliminar as práticas de exploração laboral e técnicas de produção ambientalmente nocivas», afirma, acrescentando que deseja, também, que os espaços físicos de retalho possam florescer entre a crescente plantação de portais de comércio eletrónico. «Entrar numa boutique com um design marcante e com excelente serviço ao cliente é um grande prazer e seria verdadeiramente triste vê-las desaparecer», refere Wray.

Fern Mallis, criadora da New York Fashion Week e ex-diretora executiva do Council of Fashion Designers of America (CFDA), sublinha a importância destas problemáticas no seio do sector da moda. «Gostaria de conhecer uma indústria verdadeiramente comprometida com a sustentabilidade e o trabalho justo. Com o fim do trabalho infantil e da poluição do planeta», revela à Racked, acrescentando que «gostaria de ver os preços mais realistas e os tamanhos em harmonia com a fisionomia dos clientes».

O responsável pela investida digital na Adidas, Stacey Burr, aponta a direção segundo coordenadas tecnológicas. «Indo muito além do pulso, as roupas vão ser capazes de hospedar trackers, embutidos ​​numa variedade de peças», considerando que isto será «a norma no vestuário» (ver O novo normal).

Checking his smartwatchPor seu lado, Altommy-hilfiger-solar-panel-jacket-537x402an Tisch, cofundador e CEO da aplicação móvel de moda (App) Spring, chega até à implementação da realidade virtual. «É um momento emocionante para a moda, à medida que as compras se focam mais na viagem e na experiência e menos no processo de compra. Gostava de ver a moda num lugar onde os clientes e seguidores de uma marca pudessem experimentar essa marca de maneiras que não existem hoje. Quer se trate de tecnologias de realidade virtual ou de passar um dia com um designer – e ser capaz de comprar, sem problemas, o produto através de uma aplicação durante toda essa experiência», advoga.

Jeff Johnson, cofundador e diretor criativo da The Arrivals (marca dedicada à outerwear com venda exclusiva online) sublinha, neste campo, a tecnologia de impressão 3D. «A possibilidade de trabalhar numa indústria em que essas ferramentas são o padrão iria melhorar significativamente a eficiência da indústria e, possivelmente, produzir ideias, produtos e marcas mais criativas no futuro», defende.

Por sua vez, Aurora James, diretora criativa da marca de calçado Brother Vellies aponta o trabalho artesanal como alternativa à fast fashion. «Espero que os dias de fast fashion acabem brevemente e que possamos começar a valorizar novamente o artesanato», explica.

Já Jonathan Cheung, responsável de design na Levi’s, deposita as suas expectativas nos talentos emergentes do design. «Não sabemos o que aí vem, mas acredito que haverá coisas surpreendentes. Há designers incríveis nas escolas de design – já os vi. E daqui a 10 anos vão estar à altura dos seus poderes criativos e mudar as coisas para melhor. Eles são o futuro e nós estamos em boas mãos», conclui Cheung.

 



Etiquetas: , ,




Notícia Anterior

Especiarias têxteis

Próxima Notícia

Moda para eles




Sugestões

Especiarias têxteis

A Índia molda, há vários séculos, o comércio global dos têxteis, graças à exportação de tecidos e padrões que continuam...

21 Dezembro, 2015   
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.
GET THE NEWSLETTER
From runway shows to trends, designers and events, fashionup.pt takes the latest fashion news straight to your inbox.
Your information will not be shared with any third party.
CONTACT US
Please contact us with any editorial or advertising questions.
Thank You. We will contact you as soon as possible.
Contacte-nos
Para questões editoriais ou de publicidade, por favor contacte-nos.
Obrigado. Entraremos em contacto o mais breve possível.
RECEBA A NEWSLETTER
Dos desfiles às tendências, designers e eventos, a fashionup.pt leva as últimas notícias da moda diretamente à sua caixa de correio.
Os seus dados não serão partilhados com terceiros.